28.1.09

Polícias de elite combatem o crime e salvam vidas em situações de alto risco.


Título Original:Flashpoint

Género:Drama / Acção

Episódios:Temporada 1 – 13 episódios


Autores: Mark Ellis e Stephanie Morgenstern
Elenco: Hugh Dillon, Amy Jo Johnson, David Paetkau, Enrico Colantoni, Sergio Di Zio, Michael Cram, Mark Taylor e Ruth Marshall
Produtores Executivos: Anne Marie La Traverse e Bill Mustos
Produção: Avamar Entertainment em associação com Pink Sky Entertainment

Emissão: Quintas-feiras, às 22h20
Repetição: Sábados, às 15h20 e quartas-feiras, às 00h40

Flashpoint é um drama de acção que retrata as emoções humanas e como estas e o dom da palavra podem mudar as intenções de outros. A série cujo primeiro episódio foi assistido, nos Estados Unidos, por 8,23 milhões de espectadores, mostra-nos, sob o olhar policial, o mundo do crime, enquanto os membros de uma equipa táctica altamente preparada treinam as técnicas de negociação e definição do perfil psicológico para entrar na mente do suspeito e salvar vidas.


Quando a Unidade Estratégica de Resposta (UER) – uma equipa de polícias de elite – chega, as regras mudam: o mau da fita será apanhado, só que ainda não o sabe. Esta unidade lida diariamente com situações de alto risco, mas não se nega a nada: resgata reféns, persegue gangs e desactiva bombas, acalma e demove adolescentes suicídas e protege o Papa.


A equipa é perita no manuseio de um arsenal de armas poderosas e delicadas: snipers, granadas e tasers. Estes homens e mulheres “à prova de bala” escalam edifícios e até vêem através das paredes, mas são diferentes das restantes equipas SWAT: o seu arsenal inclui o dom da palavra e o conhecimento da intuição humana, um instinto para quando é tempo de negociar e quando a solução pede “algo mais”.


Na cena do crime são eles que mandam, ninguém conhece os riscos e os procedimentos melhor que eles. Isto leva a que muitas vezes os inspectores séniores sejam postos de lado para que a UER possa entrar em acção; os inspectores não gostam de ser afastados para dar lugar aos agentes da unidade especial.


É um trabalho difícil, daqueles que carregam um tipo de pressão que apenas os colegas – o grupo de “irmãos” – consegue realmente entender. Na vida destes profissionais de guerra, o stress assombra todas as suas decisões e pode cobrar um pesado preço a famílias, amigos e amantes. No trabalho eles jogam segundo as regras, mas também as contornam se necessário. Fora do trabalho, todas as apostas caem.

link do postPor Muito Mais, às 12:11  comentar